Sexta-Feira, 14 de Dezembro de 2018

Caroline Silva Fraga

Eu sou Fonoaudióloga, Palestrante, trabalho com aperfeiçoamento da comunicação.
Eu atuo na área de Aperfeiçoamento da Comunicação há 06 anos. O que eu venho percebendo atendendo inúmeros clientes a falta de “consciência” da forma como se comunica e perdendo assim, oportunidades de conquistar um emprego ou uma promoção tão sonhada.Então, eu quero te ajudar a ter consciência a partir dicas, orientações e notícias sobre fala dicção, projeção vocal, qualidade da voz, postura corporal, expressões faciais, construção de argumentos etc.

Acesse o meu Blog pessoal: www.phvoz.com
Lá você encontrará textos enriquecedores para continuar a sua jornada de Sucesso!!

Ver todas as colunas

A Construção do Orador: Você precisa decidir se quer persuadir e/ou Convencer



Eu gosto do impossível porque lá a concorrência é menor.

                                                                                         (Walt Disney)

 

 

Olá,

 

Eu comecei a explicar no post anterior, como se tornar um bom orador, sendo que um dos princípios básicos envolve as pessoas estarem dispostas a ouvir o que você tem a falar.

 

Lógico que isso não basta.

 

Você precisa de certa preparação na sua expressividade, ter controle emocional, superar nervosismo, o esquecimento do que será dito para obter êxito.

 

Então, como você pode se preparar?

 

O primeiro passo, você irá fazer nos bastidores, ninguém quer saber como você irá controlar a sua ansiedade, nervosismo, melhorar a sua expressividade, ter um bom alcance na voz, falar numa velocidade adequada, ter uma linguagem corporal adequada, entre outras.

 

O segundo passo, você precisa obter informações do seu público para desenvolver argumentos que despertem atenção. A maior parte das formas de publicidade e de propaganda se preocupa, acima de tudo, em prender o interesse de um público variado, condição indispensável para o andamento de qualquer argumentação.

 

Há apenas uma regra a esse respeito, que é a adaptação do discurso ao público, seja ela qual for. 

 

Vamos pensar em uma empresa que vende sapatos para atingir um número grande de pessoas com a sua comunicação, eles precisam adaptar para diferentes públicos, pensar no gênero, a faixa etária, classe social, para melhor direcionar.

 

E você também precisará ter esse conhecimento prévio para facilitar a sua comunicação.

 

O terceiro passo, você precisa definir se você quer convencer ou persuadir ou quer os dois. 

  

 

Eu, Caroline, prefiro convencer a persuadir. Eu vou te explicar o porquê...

 

Você sabia que existe diferença entre eles?

 

Eu sei que algumas fontes na internet, até mesmo no  dia a dia as pessoas tratam como se fossem sinônimos.

 

Mas não são!! Porque as estratégias são bem diferentes...

 

Então, tome cuidado com as informações que você busca....

 

Na persuasão, você constrói os seus argumentos baseado em razões afetivas e pessoais.  Já na convicção, você constrói a partir de argumentos racionais.

 


 

PARA QUEM SE PREOCUPA COM O RESULTADO, PERSUADIR É MELHOR QUE CONVENCER, POIS A CONVICÇÃO É PARA QUEM ESTÁ PREOCUPADO COM O CARÁTER RACIONAL DA ADESÃO.

 


 

 

Como assim ?

 

Eu vou usar como exemplo os políticos para ficar mais fácil a sua compreensão.

 

Você em algum momento já se perguntou como o político consegue conquistar um público tão heterogêneo, sendo que a depender do cargo como senador, presidente, deputado federal requer uma grande quantidade de votos.

 

 Então, como é que eles fazem para conquistar e se tornar o político favorito de milhares de pessoas?

 

Eles tentam persuadir e convencer...

 

A persuasão por envolver a emoção, por exemplo, ele vai numa comunidade carente diz que entende o sofrimento daquelas pessoas, porque morou no lugar assim na infância, passou fome, seus pais não tiveram estudo.

 

 Assim eles vão construindo o seu discurso.

 

 O que eles fizeram?  Foi se conectar com aquelas pessoas por razões afetivas, isso gera resultado. 

 

Só que tem uma ressalva, as pessoas que são persuadidas fazem o que você pede, mas o efeito não é duradouro, ao contrário de convencer.

 

Já convencer envolve a razão, por exemplo, o político constrói argumentos lógicos referentes algum assunto como melhorar a educação, ele vai apontar dados do MEC, a vulnerabilidade das escolas, a violência, a desmotivação dos professores, etc..

 

O que eu pontuei acima foram argumentos racionais para que as pessoas reflitam sobre determinado assunto, mas se convencer elas vão aderir de forma duradoura.

 

Por isso, os políticos são campeões em persuasão e convicção... E você, eu e qualquer pessoa no geral nos conectamos a eles por um desses meios na hora de votar.

 

Agora que você já sabe por que eu prefiro convencer e não persuadir.

 

Você consegue entender que falar de oratória não é somente superar o nervosismo de falar em público?

 

Para mim, o segundo e o terceiro passo são muito importantes, mas a maioria das pessoas negligencia. Normalmente, as pessoas ficam no primeiro passo, focam no nervosismo, na ansiedade, algumas focam somente na sua expressividade e acham que isso é oratória.

 

Só que não é!! Nunca foi.....

 

Por isso que as pessoas se acham péssimas em oratória.

 

E aí, você quer persuadir e/ou convencer?

 

 

Até breve, 

Seja faminto pelo seu sucesso!!

 

Blog Pessoal: www.phvoz.com












Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Blog  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2018, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.