Terça-Feira, 23 de Abril de 2019

Maurício Seriacopi

* Maurício Seriacopi é especialista em consultoria a empresas familiares, palestrante, escritor, coach, gestor e consultor empresarial com formação em marketing e gestão empresarial.
Fundador Presidente do ITE - Instituto Transformar de Empreendedorismo.
Sócio-diretor da M2R2 Consultoria Empresarial
Autor do livro "Pensamentos. Criando novas ideias, inovando e aplicando à vida" e diversos artigos sobre empreendedorismo, carreira, gestão de pessoas, motivação, entre outros, publicados no Brasil, Portugal e América Latina.

Ver todas as colunas

EMPRESA FAMILIAR, DO PRECONCEITO AO ORGULHO DE PERTENCER A UMA.



Segundo John Davis, o mais respeitado conhecedor do tema, mais de 80% das empresas no mundo todo são constituídas por famílias. Dados comparativos baseados em estudos demonstram que as empresas familiares valem, na média, 10% a mais; são 5,5% mais lucrativas e o retorno sobre ativos é 6,5% maior; no primeiro estágio, quando são geridas pelo fundador-proprietário, por fim, são 19% mais valiosas; e apresentam maior crescimento das receitas e do faturamento.

Com números tão favoráveis, por que, ao menos no Brasil, torna-se pejorativo dizer que se trabalha ou que pertence a uma empresa familiar?

O problema se origina na formação da empresa, quando raríssimas vezes, os fundadores seguem as recomendações de um bom planejamento equilibrando-o com o entusiasmo e a euforia da realização de um sonho: “o de ter seu próprio negócio”.

Qualquer empresa quando decide deixar o amadorismo e assume uma gestão profissional, inicia um processo de fortalecimento que permitirá não apenas um crescimento sustentável, mas principalmente, a solidificação. Com uma empresa familiar não é diferente.

Toda família precisar ter regras, valores e uma determinada estrutura com pilares fundamentais que devem ser adotados pela empresa, consolidando-os em marca registrada onde seus integrantes tornar-se-ão aliados e não concorrentes.

Obter uma coesão é mais um elemento a ser tratado como meta e para tal, a melhor atitude a ser tomada é a formação de um comitê ou conselho familiar que ajude a família a se manter posicionada em uma direção e mantendo a determinação.

Com uma filosofia bem definida baseada na disciplina, é possível livrar-se de um dos maiores problemas – se não o maior – que é a pressão em inserir indesejáveis e despreparados parentes para ocuparem cargos, muitas vezes, estratégicos

Por fim, fomentar a confiança e o orgulho na família, e entre a família e o negócio para que a harmonia reine.

 

* Maurício Seriacopi é especialista em consultoria a empresas familiares, palestrante, escritor, coach, gestor e consultor empresarial com formação em marketing e gestão empresarial.

Fundador Presidente do ITE - Instituto Transformar de Empreendedorismo.

​Sócio-diretor da M2R2 Consultoria Empresarial

Autor do livro "Pensamentos. Criando novas ideias, inovando e aplicando à vida" e diversos artigos sobre empreendedorismo, carreira, gestão de pessoas, motivação, entre outros.

Acesse o site e conheça o trabalho do especialista: www.mauricioseriacopi.com










Imóveis em Jundiaí

Apartamentos

Áreas Industriais

Casas

Chácaras

Comercial

Condominios

Fazendas

Haras

Sítios

Terrenos

Anuncie seu Imóvel

O mercado de Aluguel de louças aumentou (e ficou ainda mais qualificado) de uns anos para cá. Um exemplo? Outro dia estava organizando uma lista de materiais que precisariam ser alugadas (Aluguel de louças para festas) para um festa



Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Blog  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2018, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.