Prêmios Recebido:
• Ganhador do Prêmio Revelação Poética 2010, pela ARTPOP – Academia de artes de Cabo Frio – Rio de Janeiro.
• Ganhador do Prêmio Interarte 2011Categoria Destaque Artístico (poesia) pela Academia de Letras de Goiás.
• Menção Honrosa com a poesia “Saudades” Concurso de poesia “Carlos Cezar”, pela Casa do Escritor de Mogi Guaçu União Brasileira de Trovadores. 2012
• Ganhador do Prêmio Luso-Brasileiro de Poesia melhores Poetas de 2013
• Ganhador do Prêmio Literarte melhores do Ano - Literatura – 2016
"/>

Segunda-Feira, 22 de Abril de 2019

Douglas Silva

Douglas Silva é Escritor, Poeta e Psicólogo formado pela Faculdade de Jaguariúna. Nascido em 1983 na cidade de Mogi Mirim (interior de São Paulo), atualmente reside em Mogi Guaçu, cidade vizinha. Possui várias publicações em Antologias nacionais e internacionais é autor dos Livros de Poesias “Vozes da Alma”, “Renascendo Amores & Poesias” e do Romance “Destinos”. Como colunista aborda temas relacionados à saúde e comportamento.

 *Membro Acadêmico Correspondente ARTPOP – Academia de artes de Cabo Frio – Rio de Janeiro. 2011
 *Membro Acadêmico Correspondente da ALAV – Academia de letras y artes de Valparaíso- Chile. 2011
 *Membro dos POETAS DEL MUNDO (entidade com sede no Chile).
 *Membro Acadêmico Efetivo "Academia de Letras Menotti del Picchia" / FALASP – Itapira – Estado de São Paulo - 2015

Prêmios Recebido:
• Ganhador do Prêmio Revelação Poética 2010, pela ARTPOP – Academia de artes de Cabo Frio – Rio de Janeiro.
• Ganhador do Prêmio Interarte 2011Categoria Destaque Artístico (poesia) pela Academia de Letras de Goiás.
• Menção Honrosa com a poesia “Saudades” Concurso de poesia “Carlos Cezar”, pela Casa do Escritor de Mogi Guaçu União Brasileira de Trovadores. 2012
• Ganhador do Prêmio Luso-Brasileiro de Poesia melhores Poetas de 2013
• Ganhador do Prêmio Literarte melhores do Ano - Literatura – 2016

Ver todas as colunas

Eu não estou Louco: SOCIEDADE!



Ainda existe um caminho muito árduo a ser percorrido pela psicologia para alcançar a aceitação merecida entre as classes sociais, na qual em pleno século XXI ainda existe diante do senso comum grande banalização de quem procura pelo trabalho de um psicólogo.

Há entre o senso comum a seguinte afirmativa “não vou ao psicólogo eu não estou louco”. Tal rótulo deveria ser extinto, pois serve apenas para desqualificar quem realmente procura ajuda para resolver suas dificuldades sejam de ordem emocional, problemas mentais e/ou outros tantos fatores que contribuem para o individuo adoecer.

Na verdade ir à terapia ainda nos dias de hoje é visto por parte da sociedade como sendo algo aversivo, na qual para aqueles que realmente reconhecem a importância da ajuda psicológica geralmente lhes é apontado o dedo na tentativa de desqualificar tal necessidade. Acontece que a sociedade ainda vive em função de uma falsa sensação alegórica que camufla uma invulnerabilidade em relação aos problemas psicológicos existente.

As dificuldades emocionais são geralmente pouco acolhidas pelas pessoas que enxergam como sendo um sinal de fraqueza; admitir a necessidade de procurar ajuda de um profissional da saúde mental é reconhecer que não somos super-homens, além do mais ainda existe o estigma citado a cima “não estou louco”.  Há também relutância em admitir que assim como necessitamos buscar outros profissionais para cuidar da nossa saúde, também necessitamos trabalhar nossos sentimentos como angústia, ansiedades, frustrações, medos, entre outros.

Talvez encarar os problemas de perto não seja tão fácil como tomar um comprimido. Isso fica evidente quando observamos uma sociedade que busca as soluções rápidas para justificar quase sempre a busca por uma pílula inexistente da felicidade.

Reconhecer que a dor interna à qual ainda não sabemos classificar é um desafio que pode ser a chave para transformarmos nossa busca pela pílula da felicidade em algo que nos auxiliem a amenizar nossos sofrimentos.

Produzir pensamentos positivos, encarar nossos medos, lutar contra nossos próprios preconceitos e admitir a nossa necessidade em gerenciar nossos sentimentos é fundamental para que possamos dar menos importância para os rótulos. Portanto, vou ao psicólogo porque preciso colocar meus pensamentos em ordem, gerir minhas emoções e aprender a viver melhor. Vou porque me faz sentir bem, porque me ajuda a adquirir recursos para enfrentar a vida e buscar o bem-estar.

Vou para o psicólogo porque necessito encontrar um sentido para a minha vida; vou para que ele possa me ajudar a reconhecer que sou mais forte do que hoje reconheço ser. Sendo assim, não há nada de errado em fazer terapia, muito pelo contrario, permitir que um profissional te ajude a desatar os seus nós mais íntimos é demonstração de muita coragem em dar um passo contrario ao que é quase sempre atribuído de forma negativa pela sociedade.

 

 

 

 

 










Imóveis em Jundiaí

Apartamentos

Áreas Industriais

Casas

Chácaras

Comercial

Condominios

Fazendas

Haras

Sítios

Terrenos

Anuncie seu Imóvel

O mercado de Aluguel de louças aumentou (e ficou ainda mais qualificado) de uns anos para cá. Um exemplo? Outro dia estava organizando uma lista de materiais que precisariam ser alugadas (Aluguel de louças para festas) para um festa



Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Blog  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2018, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.