"/>

Quinta-Feira, 18 de Abril de 2019

Ângela Schiezari Garcia

Educadora física; fisioterapeuta; osteopata;
radiestesista genética; microfisioterapia em formação.
Terapeuta de self-healing,leitura biológica, pós-graduada em ginástica postural corretiva,em fisiologia do exercício e em personal training.
Estágios:
* Laboratório do Comportamento Motor da Escola de Educação Física e Esportes da USP.
* Condicionamento Físico e Reabilitação Cardiovascular na Unidade de Reabilitação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício do INCOR HC – FMUSP.
Escritora, com livro de poesias "A Real Dualidade", publicado em 2007.

Ver todas as colunas

Haiti: Um país ilhado



 

 

Haiti, palavra de origem indígena que significa “montanhoso”; junto com a República Dominicana ocupam a segunda maior ilha das Antilhas. Tem o formato semelhante à cabeça de um caimão, que é um pequeno crocodilo, abundante na região.

Conta a história que desde as primeiras expedições comandadas por Cristóvão Colombo - fundador oficial do Haiti - já ocorriam inúmeros conflitos pela posse das terras entre indígenas e colonos, haitianos e dominicanos, invasões francesas,  invasões inglesas e também a rebelião dos negros.

Uma atormentada história de lutas associada à falta de atenção às propriedades rurais, problemas técnicos na agricultura,  alto índice de analfabetismo e graves problemas na saúde, comunicações e meios de transporte precários determinaram a amarga realidade de social e a pobreza do país.

Realidade esta que acompanha gerações, retratando o cruel sistema político, em que uma minoria ditatorial massacra a humilde população e desvia milhões de dólares em benefício próprio.

Alguns países, por sua vez, por interesses políticos difíceis de definir participam ativamente para que a solução de tanta revolta seja encontrada. Talvez a posição estratégica da ilha, sua distância da grande potência ou, quem sabe algum objetivo secreto desencadeiem as desavenças.

Enquanto isso, nós acompanhamos amargurados as notícias sobre o triste fim do povo haitiano, friamente assassinado e torturado.

Essa coerção provoca reações na população local, em que escritores inspirados e até mesmo reconhecidos internacionalmente manifestam seu repúdio. Um deles René Depestre, poeta e romancista que viveu em São Paulo, em seu livro “Arco-Íris para um Ocidente Cristão”, busca como tantos outros, uma vida mais digna e feliz para nossos irmãos.

 












Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Blog  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2018, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.