"/>

Quinta-Feira, 27 de Junho de 2019

Ângela Schiezari Garcia

Educadora física; fisioterapeuta; osteopata;
radiestesista genética; microfisioterapia em formação.
Terapeuta de self-healing,leitura biológica, pós-graduada em ginástica postural corretiva,em fisiologia do exercício e em personal training.
Estágios:
* Laboratório do Comportamento Motor da Escola de Educação Física e Esportes da USP.
* Condicionamento Físico e Reabilitação Cardiovascular na Unidade de Reabilitação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício do INCOR HC – FMUSP.
Escritora, com livro de poesias "A Real Dualidade", publicado em 2007.

Ver todas as colunas

Haiti: Um país ilhado



 

 

Haiti, palavra de origem indígena que significa “montanhoso”; junto com a República Dominicana ocupam a segunda maior ilha das Antilhas. Tem o formato semelhante à cabeça de um caimão, que é um pequeno crocodilo, abundante na região.

Conta a história que desde as primeiras expedições comandadas por Cristóvão Colombo - fundador oficial do Haiti - já ocorriam inúmeros conflitos pela posse das terras entre indígenas e colonos, haitianos e dominicanos, invasões francesas,  invasões inglesas e também a rebelião dos negros.

Uma atormentada história de lutas associada à falta de atenção às propriedades rurais, problemas técnicos na agricultura,  alto índice de analfabetismo e graves problemas na saúde, comunicações e meios de transporte precários determinaram a amarga realidade de social e a pobreza do país.

Realidade esta que acompanha gerações, retratando o cruel sistema político, em que uma minoria ditatorial massacra a humilde população e desvia milhões de dólares em benefício próprio.

Alguns países, por sua vez, por interesses políticos difíceis de definir participam ativamente para que a solução de tanta revolta seja encontrada. Talvez a posição estratégica da ilha, sua distância da grande potência ou, quem sabe algum objetivo secreto desencadeiem as desavenças.

Enquanto isso, nós acompanhamos amargurados as notícias sobre o triste fim do povo haitiano, friamente assassinado e torturado.

Essa coerção provoca reações na população local, em que escritores inspirados e até mesmo reconhecidos internacionalmente manifestam seu repúdio. Um deles René Depestre, poeta e romancista que viveu em São Paulo, em seu livro “Arco-Íris para um Ocidente Cristão”, busca como tantos outros, uma vida mais digna e feliz para nossos irmãos.

 










Imóveis em Jundiaí

Apartamentos

Áreas Industriais

Casas

Chácaras

Comercial

Condominios

Fazendas

Haras

Sítios

Terrenos

Anuncie seu Imóvel

O mercado de Aluguel de louças aumentou (e ficou ainda mais qualificado) de uns anos para cá. Um exemplo? Outro dia estava organizando uma lista de materiais que precisariam ser alugadas (Aluguel de louças para festas) para um festa



Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Blog  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2018, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.