"/>

Quarta-Feira, 20 de Fevereiro de 2019

Ângela Schiezari Garcia

Educadora física; fisioterapeuta; osteopata;
radiestesista genética; microfisioterapia em formação.
Terapeuta de self-healing,leitura biológica, pós-graduada em ginástica postural corretiva,em fisiologia do exercício e em personal training.
Estágios:
* Laboratório do Comportamento Motor da Escola de Educação Física e Esportes da USP.
* Condicionamento Físico e Reabilitação Cardiovascular na Unidade de Reabilitação Cardiovascular e Fisiologia do Exercício do INCOR HC – FMUSP.
Escritora, com livro de poesias "A Real Dualidade", publicado em 2007.

Ver todas as colunas

Importância da alimentação para a saúde



Importância da alimentação para a saúde

A  história da alimentação é tão antiga quanto a vida desde os tempos do Homem pré-histórico, que se alimentava de frutas, folhas ou grãos, o essencial das calorias que ele necessitava.

O livro “História da alimentação” aborda a alimentação como a satisfação de uma necessidade fisiológica e reflete a diversidade de culturas e costumes, modelando a identidade de cada povo de acordo com a produção, as estruturas sociais, as representações dietéticas e religiosas. As relações entre os aspectos da cultura e a maneira de se alimentar existem desde a era do fogo até a chegada do fast-food (FLANDRIN E MONTANARI, 1996). Podemos conferir e compreender aspectos das origens e do patrimônio gastronômico, com o objetivo de auxiliar nas melhores escolhas de um cardápio nutricional.

A relação entre a alimentação e a saúde é fundamental, pois a dieta tem a função de promover bem estar, por meio de alimentos que estimulam o sistema imunológico, aumentam a vitalidade, o poder de raciocínio,  promovem a melhora do humor, reduzem o estresse e protegem o coração.

Existem estudos na área, com pesquisas e autores polêmicos, que defendem dietas variadas. Esta gama de informações acaba por confundir as pessoas, principalmente, as leigas, que muitas vezes, se atrevem a seguir as “loucuras” preconizadas pela mídia, sem fundamentos científicos.

Por este motivo, é fundamental o trabalho especializado junto a um nutricionista, bem como a adequação de nutrientes imprescindíveis ao desempenho das funções orgânicas. Alimentação adequada é aquela que enriquece o sangue, nutre as células, fortalece os órgãos e glândulas, auxiliando na prevenção e em alguns casos, na cura de algumas doenças. Os diferentes tipos de células necessitam de diferentes tipos de nutrientes, por exemplo, o cálcio é essencial para os dentes e ossos, as vitaminas A e D para a pele, o ferro e a vitamina B12 para o sangue. É importante realizar um plano alimentar, que deverá conter os nutrientes necessários aos diversos sistemas corporais.

Alimentos industrializados, conservas, gorduras saturadas, alimentos refinados como o sal, farinha e o açúcar devem ser evitados Quando a dieta é deficiente, ela poderá comprometer o sistema imunológico, permitindo que o corpo fique mais suscetível às infecções e doenças (MC KEITH, 2005).

A natureza disponibiliza a nutrição completa, por meio de cereais integrais, verduras, raízes, frutas, nozes, castanhas, legumes e leguminosas. Estudos indicam que estes alimentos possuem digestão leve, favorecendo as funções intestinais, o hálito puro e o sono mais profundo, além de serem preventivos e regeneradores, devido à presença de sais minerais, proteínas de fácil assimilação, gorduras insaturadas, clorofila, enzimas e energia solar concentrada (WALZBERG, 2003).

Por vários motivos, como os expostos acima, precisamos ser cautelosos na busca de conhecimentos, a fim de obtermos dados mais precisos e seguros para a elaboração de uma dieta balanceada. Bom senso, alimentos naturais fracionados ao longo do dia, boa mastigação, local adequado para fazer a alimentação, de preferência calmo e longe do noticiário trágico da TV, com certeza podem  fazer a diferença nas escolhas.

Assim como a atividade física precisa ser escolhida a partir de critérios específicos, a alimentação saudável também deve associar-se as necessidades, as exigências diárias e aos nossos gostos pessoais.

Dr. Peter D’ Adamo (2005), em seu livro “A dieta do tipo sanguíneo”, correlaciona as características de cada tipo sanguíneo, com as dietas mais adequadas e os meios para se evitar os problemas de saúde. Após mais de 30 anos de pesquisas e estudos científicos na área, ele apresenta o roteiro de um plano de saúde adaptado a cada tipo sanguíneo.

A arte de preparar e servir com amor, de forma atraente  satisfazem os sentidos do paladar, da visão, do olfato, do senso estético e manifestam no colorido de cada nutriente, a alegria de viver e de comer com prazer!

Drª Gillian Mc Keith (2005), autor de "Você é o que você come" exemplifica o poder da alimentação natural no processo de emagrecimento com saúde e energia.

Ao refletirmos sobre estas questões, podemos ter um referencial para determinar escolhas.

Será que podemos selecionar melhor nossos alimentos???












Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Blog  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2018, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.