Sábado, 20 de Julho de 2019

Vander Christian

Vander Christian é apaixonado pelo mundo da leitura e escrita. Autor dos romances KARINA, PASSADO E PRESENTE e DUAS VEZES PAMELA MONTEIRO.

Redes Sociais:





Últimos artigos

Ver todas as colunas

Orelhões



Muitas coisas estão com os dias contados. Serão descartadas. É o caso dos orelhões. E ver algo tão marcante ser descartado, causa um sentimento muito ruim. Parece que uma parte de nós também está sendo descartada.

Lembro da infância, logo que o sol ia embora, saía agarrado nas vestes de mamãe rumo ao mercadinho do bairro. Era hora de ligar para uma tia, que morava lá no interior do Paraná. Era hora de saber notícias do pessoal, que quase nunca ligavam para dizer se estava tudo bem. Minha família sempre teve essa obrigação de ligar, afinal, morávamos em São Paulo. O pessoal do interior nunca entendeu direito que, na verdade, só morávamos no estado de São Paulo, longe da capital. Fato é que, assisti muitas vezes, mamãe inserir o cartão no orelhão e dizer:

— Pede para ela descer, vou ligar daqui uns dez minutos.

Sentávamos na calçada, esperando os dez minutos chegar. Dez minutos era o tempo que a telefonista tinha para ir até a casa da minha tia avisar sobre a ligação. Era assim que tínhamos notícias, fofocas e novidades de outro lugar. Tudo pelo orelhão. Dependendo do dia, formava até fila, então tinha que encerrar a conversa logo.

Hoje quase não vejo orelhões por aí. Os poucos que ainda resistem em permanecer nas calçadas, estão em estado deplorável. Cheios de pichações e cartazes sem nenhuma utilidade. Outro dia, flagrei um rapaz correndo em direção a um orelhão, para em seguida chutá-lo com violência. O orelhão chacoalhou, mas se manteve de pé. Pensei em dar uma bronca no rapaz, dizer que o fato do orelhão não ser mais tão usado assim, não significava que era para ser chutado daquela maneira. Não falei. Certamente, apareceria um monte de gente defendendo o fim dos orelhões...

— Isso é passado, ninguém mais usa! — disse uma aluna que estuda na mesma escola que o meu sobrinho.

De fato, ninguém mais usa. Mas eles não merecem ser chutados.

Novos tempos. Já resolvemos tantas coisas através dos orelhões, que eles nunca deveriam acabar. Esse talvez seja um dos maiores defeitos da humanidade: descartar rápido algo que já nos ajudou muito.

Mas, o que esperar? Se até pessoas estão sendo facilmente descartadas...

 

 

 

Obrigado pela visita!

 

COMECE A LER MEUS LIVROS GRATUITAMENTE:

 

Duas Vezes Pamela Monteiro 
http://amz.onl/6kNQLOT

 

Passado & Presente 
http://amz.onl/bSJOgdX

 

Karina 
http://amz.onl/2zZb89q

 

Até breve,

 

   










Imóveis em Jundiaí

Apartamentos

Áreas Industriais

Casas

Chácaras

Comercial

Condominios

Fazendas

Haras

Sítios

Terrenos

Anuncie seu Imóvel

O mercado de Aluguel de louças aumentou (e ficou ainda mais qualificado) de uns anos para cá. Um exemplo? Outro dia estava organizando uma lista de materiais que precisariam ser alugadas (Aluguel de louças para festas) para um festa



Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Blog  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2018, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.