Sábado, 17 de Agosto de 2019

Jonathas Rafael

Jonathas Rafael possui graduação em Psicologia (2015) pela Faculdade de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis de Divinópolis - FACED. Tem experiência na área de Psicologia, com enfoque psicanalítico, em atividades com pequenos grupos de adolescentes em Estado de Vulnerabilidade Social e Atendimento Clínico Individual a adolescentes e a adultos. Seus principais temas de interesse são: Adolescência, Análise Institucional, Educação, Envelhecimento, Família, História do Brasil, Literatura Brasileira, em especial a machadiana, Preconceito Linguístico, Psicanálise e Cinema, Psicanálise e Educação, Psicanálise e Laço Social, Psicanálise e Literatura, Representações Sociais, Uso e abuso de álcool e outras drogas e Violência Urbana.

E-mail: jonathas.rafael@yahoo.com.br

Ver todas as colunas

Supervalorização das culturas “de fora”: uma perda de identidade nacional



“Receberemos nesta semana a visita da modelo internacional em nossa instituição, para falar sobre técnicas inovadoras de Design, não percam!”. “Ok, quando estiver preparada, pode começar a cantar o grande sucesso internacional Halo, de Beyoncé!”. “Não, estaremos indo ao Rio é nesta noite! Vamos ver se desta vez conseguimos os passaportes para morarmos nos EUA, ganhar um dinheiro e, claro, apreciar o que lá tem de melhor!”. “Mas, na Suécia e na Holanda, as prisões estão fechadas, enquanto que no Brasil estão lotadas, o que indica ter algo de errado com essa merda de país!”. “As melhores obras literárias são as de Shakespeare e Dostoievski, por aqui só se fala de coisa banal!”. 

 

Não é difícil escutar declarações desse tipo, seja no ponto de ônibus, em casa, no trabalho, nas Universidades e Faculdades, em conversas formais e informais. Declarações que, no final das contas, buscam supervalorizar culturas “de fora” e, indispensavelmente, depreciar a cultura brasileira. Demonstra-se com declarações desse tipo que a “identidade nacional”, tão perigosa em excesso e em escassez, está desajustada. Os extremos não são aconselháveis. 

 

Ocorre que há, então, a tentativa de modelar a cultura nacional segundo a(s) cultura(s) “de fora”, responsabilizando a primeira por tudo que ainda não deu certo ou pelo atraso nesse processo de modelação. As culturas “de fora” são tratadas como ideal; são tratadas como a parte que falta. Enquanto isso, somos tratados e nos tratamos como atrasados, (a)culturais e incivilizados, logo, necessitados de alguém, uma cultura outra, que nos ensine, de fato, a sê-lo. 

 

E, quando se fala em cultura “de fora”, não se diz somente à dicotomia, muita das vezes perversa, entre Brasil e EUA, Brasil e Suécia, Brasil e Holanda, Brasil e outro país. Ocorre que a supervalorização da cultura “de fora” e a depreciação da cultura "de dentro” se acham presentes também na vida cotidiana. Por exemplo, não é raro o fato de haver maridos que são austeros com suas esposas na vida doméstica, ao passo que na vida pública demonstram-se mais atenciosos e flexíveis. Em um processo de recrutamento e seleção o público externo ser privilegiado, posto que na equipe já composta de colaboradores haja quem possui requisitos e habilidades necessários para o cargo em aberto. Ao referenciar autores na produção textual acadêmica, recorrer àqueles formados nas Universities abroad. Ser cobrado, mais e mais, a proficiência em idiomas como o inglês, francês, alemão, sendo a língua materna pouco valorizada, em nosso caso, o português brasileiro. 

 

Essas declarações, e tantas outras, estão intimamente ligadas ao ato explorador que estropiou a cultura brasileira, sendo (in)justificado pelo avanço da cultura exploradora e pelo atraso da nossa. Ao mesmo tempo em que se era convencido de que éramos atrasados, convencíamo-nos, em geral, de que, de fato, necessitávamos de ajuda para nos civilizarmos. Internalizamos, então, esse discurso. Por meio dele, o que é nacional, que faz parte de nossa produção cultural, passou a ser depreciado, ao passo que o que advém de culturas “de fora” passou a ser supervalorizado. 

 

“A grama do vizinho é mais verde”, poderíamos dizer para ilustrar o que acima foi dito, o problema é que essa grama só é mais verde de longe. Quem declara que sua cultura é inferior e as culturas “de fora” são modelos a serem seguidos, trama contra si mesmo, uma vez que sujeito e cultura são incompreensíveis separadamente. Somos frutos de nossa cultura. Ao mesmo tempo em que a afetamos, somos afetados por ela. Se a julgamos atrasada, inferior, deplorável, dizemos de nós mesmos – isto não se torna claro a quem age assim. 

 

É importante compreendermos que cada cultura tem suas particularidades, e não deve ser comparada a nenhuma outra cultura, a fim de depreciação. As culturas “de fora” têm, sim, uma diversidade de hábitos e costumes a serem transmitidos a nós brasileiros e a todos os outros povos, da mesma maneira que nossa cultura e as demais também a têm. Se quisermos valorizar o “de fora”, o outro, precisamos, antes, aprender a nos valorizar.


Jonathas Rafael

1°/11/2016










Imóveis em Jundiaí

Apartamentos

Áreas Industriais

Casas

Chácaras

Comercial

Condominios

Fazendas

Haras

Sítios

Terrenos

Anuncie seu Imóvel

O mercado de Aluguel de louças aumentou (e ficou ainda mais qualificado) de uns anos para cá. Um exemplo? Outro dia estava organizando uma lista de materiais que precisariam ser alugadas (Aluguel de louças para festas) para um festa



Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Blog  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2018, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.