Sábado, 20 de Abril de 2019

Diogo Vieira Protti

Diogo Vieira Protti, conhecido por PROTTI, é Militar da Reserva (Exército), atua como Designer Gráfico.
É filófoso e poeta por natureza, paulistano de nascença, carioca de tendência, italiano de descendência
e corinthiano por excelência!
Já tocou guitarra, contra-baixo e bateria. Está sempre ouvindo, aconselhando e resolvendo problemas dos amigos!!!

Ver todas as colunas

Tô falando Grego, para não me entender?



Eros, Storgé, Philos, Agapé! Você sabe do que se trata?

Bem... antes de entrar no assunto, responda à si mesmo algumas perguntas:

Como estão meus relacionamentos interpessoais?
Como tenho me comportado diante os dissabores cotidianos?
Preciso melhorar am algo?

Aquelas quatro palavrinhas do título falam de AMOR, sim amor.

Os gregos tinham algumas definições sobre amor. Uma das palavras gregas era "eros", da qual se deriva a palavra erótico, e significa sentimentos baseados em atração sexual e desejo ardente.

Outra palavra grega é "storge", que significa afeição, especialmente com a família e entre os seus membros. "Philos" significa fraternidade, amor recíproco. É uma espécie de amor condicional, do tipo "você me faz o bem e eu faço o bem a você". Finalmente, os gregos usavam o substantivo "ágape" e o verbo correspondente "agapaó" para descrever um amor incondicional, baseado no comportamento com os outros, sem exigir nada em troca.

Ágape é um amor traduzido pelo comportamento e pela escolha, não o sentimento do amor. E é mais especificamente dele que falaremos.

Passamos o tempo todo desejando que a vida nos trate melhor, que nossos laços, sejam eles familiares, amizades ou amorosos, nos mostrem outra realidade, talvez um pouco melhor do que a existente.

Percebo à minha volta, na sociedade comum, em suas tribos, e também redes sociais (vida cibernética, principalmente esta, que qualquer dia escrevo um artigo somente sobre isto. Só os fortes poderão ler), que as pessoas se queixam sobre comportamentos...

Alguns reclamam do chefe, outro de suas mães, namorados, filhos... O que há de errado?

Madre Teresa já dizia que a raíz de todos os males é o egoísmo...
Eu quero, eu preciso, eu tenho, eu faço, eu isso, eu aquilo... Um mundo totalmente egocêntrico, desprovido de amor "agapé".

É simples compreender a equação sentimental que nos leva a uma vida melhor, com essência.

Amor "ágape" gera mais qualidade nos relacionamentos (todos os tipos);
Esta "qualidade" compreende segurança;
Com segurança confia-se mais;
Confiando-se mais, pode-se ousar mais também, e descobrir outros horizontes sem ter de mudar de trilha.

Que fique bem claro, não é necessariamente o "sentimento amor" e sim a "atitude amor". Sim, o amor é uma atitude também, é agir amorosamente, é expressar o amor em gestos, atitudes, hábitos comportamentais.

Justamente a falta destas propriedades gera comportamentos ríspidos nos relacionamentos, sejam eles em qualquer nível. E aí o que impera é o egocentrismo, o singularismo, o "eu sei, eu sou, eu posso". Por este simples detalhe nós seres humanos acabamos por discutir quando deveríamos dialogar, passamos a querer impor a "nossa verdade" quando deveríamos "unir nossa verdade com a verdade da outra parte deste relacionamento", apenas respeitando o ponto de vista de cada um sobre o mesmo fato.

Agora, tente responder novamente aquelas perguntas do início do artigo.

Tenha uma vida e um cotidiano cheio de amor, em todas as suas facetas.

Fiquem em paz, e até mais!
(Diogo V. Protti)












Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Blog  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2018, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.