Quarta-Feira, 24 de Abril de 2019

Augusto Branco

WILSON DOMINGUES: O Último Combate



Apesar do título remeter à idéia de violência, O Último Combate é um romance belo e surpreendente, que retrata o Brasil e o povo brasileiro de um modo nada caricato... De fato,  tive a preocupação de tentar divulgar no exterior uma imagem positiva do Brasil. De um modo geral, a imagem divulgada do Brasil no exterior, principalmente através de filmes, é negativa, e, quase sempre, faz apologia da violência. O romance O Último Combate não explora a violência gratuita, que seu título sugere. Pelo contrário, procura dissecar, nos seus mínimos detalhes, a complexidade da alma humana e resgatar a tão vilipendiada auto–estima nacional. 

Ambientado em diversas cidades brasileiras, O Último Combate oferece ao leitor também uma gama de conhecimentos culturais bem interessantes. É, por assim dizer, uma verdadeira viagem literária, certo? Posso dizer que sim, pois a linha dramática é intercalada com a descrição do cenário da trama, ambientada em Brasília, Rio de Janeiro, Manaus, Belém, Oiapoque e Caiena, na Guiana Francesa. O livro é também uma mini–enciclopédia sobre o Brasil, conhecimento essencial para qualquer estudante. Mas o principal fator é que, ao final do romance, além de ler uma belíssima estória de amor, cercada de suspense, da primeira à última página, o leitor sairá reconfortado com a sensação de que é possível apagar do caráter da alma nacional o estigma do complexo terceiro–mundista.   

Você quer dizer com isso que o Brasil retratado em O Último Combate é um Brasil sem os problemas de Terceiro–Mundo? Pelo contrário. Não quero negar que o Brasil, apesar de avanços tecnológicos, ainda tem uma cultura de Terceiro Mundo. Apenas uma revolução cultural, a exemplo do que ocorreu na Coréia do Sul, poderá tirar o país do atual marasmo cultural e da tão difundida “cultura da idiotice”.  Apenas tive a preocupação de mostrar que, além das misérias das favelas, o Brasil tem também o seu lado positivo, um povo hospitaleiro, belas cidades e uma belíssima paisagem natural. Além disso, quis mostrar que o brasileiro não é apenas um povo alienado pelo samba e carnaval. É um povo também inteligente, que sabe discutir sem restrições a complexidade da natureza humana. 

Um aspecto interessante de tua obra é que, apesar de contar a história de dois irmãos num aspecto aparentemente microscópico, a trama leva o leitor ao conhecimento de desenvolvimentos dos quais depende o próprio destino da humanidade – um enredo tão rico e tão profundo que você precisou transformar em trilogia... Sim, O Último Combate é o primeiro livro de uma trilogia que estou preparando. Ele já foi publicado no Brasil, em 2005, e em Moçambique, em 2010, no Centro Cultural Brasil–Moçambique. Atualmente, encontra–se à venda no clubedosautores.com.br uma edição revisada e atualizada do referido romance. O II tomo, Os Cavaleiros do Apocalipse, a ser publicado até abril deste ano, apresenta um relato interessante sobre a queda dos impérios, sob uma perspectiva de fácil entendimento. O III tomo, Os Deuses do Olimpo, fecha a trilogia com chave de outro. 

Além desta trilogia, o senhor tem outros trabalhos em perspectiva? Tenho. Lancei, recentemente, também pelo Clube de Autores, o romance Xiluva, que em dialeto changana quer dizer “Flor”, ambientado em Moçambique, onde vivi por vários anos. Neste romance traço um paralelo entre a cultura brasileira e a moçambicana. Xiluva é também o primeiro romance de uma trilogia, que se completa com Torre de Belém e Torre de Belém, ambos previstos para lançamento no primeiro e segundo semestre de 2012, respectivamente. Devo lançar também, em breve, a minha Antologia Poética, composta por uma seleção de 145 poemas, bem como outra antologia, em inglês, English Poetry, composta de 75 poemas escritos nos Estados Unidos, onde morei também.










Imóveis em Jundiaí

Apartamentos

Áreas Industriais

Casas

Chácaras

Comercial

Condominios

Fazendas

Haras

Sítios

Terrenos

Anuncie seu Imóvel

O mercado de Aluguel de louças aumentou (e ficou ainda mais qualificado) de uns anos para cá. Um exemplo? Outro dia estava organizando uma lista de materiais que precisariam ser alugadas (Aluguel de louças para festas) para um festa



Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Blog  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2018, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.