Terça-Feira, 20 de Agosto de 2019

Tecnologia e Informática

>

Pesquisa aponta 10 profissionais mais difíceis de achar no mundo

Pesquisa aponta 10 profissionais mais difíceis de achar no mundo

Em uma pesquisa realizada com 35 mil empregadores em 36 países, a consultoria Right Management, especializada em gestão de talentos e carreira, chegou aos dez tipos de profissionais e cargos com maior grau de dificuldade para serem preenchidos no Brasil e no mundo. Só no Brasil, foram ouvidas 850 empresas.

De acordo com a consultoria, são eles, em ordem de dificuldade:

1 - Trabalhadores qualificados (profissionais que têm, ao mesmo tempo, qualificação e experiência em determinada área como  tecnologia, web designers, enfermeiros e médicos, especialistas em biotecnologia, advogados com conhecimento em leis trabalhistas e administradores especializados em e-commerce).
2 –
Representantes de vendas
3 -
Técnicos (várias áreas)
4 -
Engenheiros (várias áreas)
5 -
Profissionais de contabilidade e finanças
6 -
Operadores de produção
7 –
Secretários e assistentes pessoais
8 -
Executivos de administração
9 –
Motoristas
10 –
Operários 

No Brasil, a mesma pesquisa indica a seguinte ordem:

1 – Técnicos (várias áreas)
2 -
Trabalhadores qualificados
3 –
Operadores de produção
4 -
Secretários e assistentes pessoais
5 -
Operários
6 -
Engenheiros (várias áreas)
7 -
Motoristas
8 -
Profissionais de contabilidade e finanças
9 -
Profissionais de tecnologia da informação (TI)
10 –
Representantes de vendas

Escassez de talentos

De acordo com a consultoria, a escassez de talentos é cada vez mais um grande desafio para as empresas em todo mundo.

No Brasil, porém, o estudo demonstra que essa dificuldade de encontrar profissionais é maior, já que o percentual de empregadores no mundo que indicaram dificuldade para preencer uma vaga é de 31% e, no Brasil, esse percentual sobe para 64%.

A Right Management possui mais de 300 escritórios distribuídos em mais de 50 países ao redor do mundo.

Brasil é o segundo país mais carente de talentos

O Brasil é o segundo no ranking de países com mais dificuldades na contratação de profissionais, de acordo com pesquisa da Right Management, consultoria organizacional especializada em gestão de talentos e carreira.

Um estudo da empresa, realizado com 35 mil empregadores de 36 países, revelou que 64% dos entrevistados brasileiros relatam dificuldades para encontrar profissionais com os requisitos adequados às vagas oferecidas. O Japão lidera a lista, com 76%. Argentina e Cingapura aparecem em terceiro lugar, com taxa de 53%, seguidos pela Polônia, em que 51% dos entrevistados apontam esse problema.

Apagão de talentos

De acordo com a gerente-geral da Right Management na América Latina, Elaine Saad, o chamado apagão de talentos começou a dar sinais em 2008, mas com a crise financeira o quadro ficou mais brando. “Com a recuperção, a dificuldade na contratação volta a se tornar um desafio para as áreas de recursos humanos”, afirma.

A executiva explica que é importante entender que o mercado classifica como talento a pessoa com capacidades para atender às demandas da vaga. “Hoje a qualificação não está alinhada às exigências do mercado”, diz Elaine.

Para ela, isso se deve, especialmente, a três fatores: baixo nível de qualidade de muitos cursos, requisitos muito elevados por parte das empresas e ensino público deficiente. “A solução só virá em médio e longo prazos e será necessário trabalhar os três aspectos”, afirma