Terça-Feira, 2 de Junho de 2020

30/3/2020 - Jundiaí - SP

Comércio não essencial permanece fechado em Jundiaí




da assessoria de imprensa da Prefeitura de Jundiaí

O comércio não essencial em Jundiaí permanece fechado pelo menos até o dia 7 de abril, data em que termina a quarentena determinada por Decreto do Governo do Estado. A deliberação da administração municipal foi anunciada pelo prefeito Luiz Fernando Machado na tarde deste sábado, em transmissão ao vivo pela internet (‘live’) após reunião com oito entidades do comércio e indústria do município, realizada na sala de situação do Paço Municipal.

“Nós estamos trabalhando com evidências científicas para conter o avanço da doença e, por isso, entendemos ser mais prudente continuarmos com o isolamento social, iniciado antes mesmo da determinação vinda do Governo do Estado”, afirmou Luiz Fernando Machado. “Portanto, apesar de todas as cobranças que recebemos, apesar de legítimas as preocupações, manteremos a determinação de não abrir os comércios não essenciais antes do dia 7. Repito que esta é uma decisão de natureza técnica, após nossa equipe de epidemiologistas da saúde avaliarem a curva de evolução da contaminação pela Covid-19. Vamos acompanhar a evolução dessa curva durante a semana”.

O prefeito e gestores receberam representantes do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (CIESP), Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e Sincomércio, Sincomerciários, Sindicato dos Metalúrgicos, Associação Comercial e Empresarial (ACE), Acomac (Associação Jundiaiense de Materiais de Construção), Núcleo Gastronômico e Hoteleiro do CDL e da Associação dos Contadores (Cont), entidade que reúne contadores. O objetivo foi discutir ações e alternativas para mitigar os efeitos da crise econômica causada pela pandemia, cujos efeitos já estão sendo sentidos por todo o comércio.

Os participantes compartilharam seus problemas e demandas, que serão avaliados um a um pelo Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus (CEC), e na ocasião foi composta uma força-tarefa, cujo objetivo será atuar na recuperação econômica do município. A força-tarefa funcionará como uma Câmara Técnica do Comitê, para os assuntos econômicos, que terá a participação das entidades, sob a coordenação do Gestor de Governo e Finanças (UGGF), José Antônio Parimoschi. 

O gestor de Governo e Finanças destacou a importância da participação da sociedade civil organizada. “Desde a criação do CEC, estruturamos um planejamento estratégico com base em três eixos: o primeiro focado nas ações de Saúde, outro, voltado para os impactos econômicos e a transparência, na divulgação de todas as ações do CEC. O principal objetivo no eixo econômico é não deixar o município desamparado nas áreas de emprego e renda”, destacou o gestor. “Nossas ações, que inclusive já foram colocadas em prática, têm três linhas de atuação: mitigação dos primeiros efeitos, com a prorrogação de prazos de tributos e suspensão de cobranças de débitos e certidões; recuperação da economia; e fortalecimento da economia, com ações estruturais”.

Neste sábado (28), inclusive, foi publicado novo Decreto com prorrogação do ISS cobrado no Simples Nacional, beneficiando 40 mil micro e pequenas empresas. Os pagamentos previstos nos meses de abril, maio e junho serão postergados, sem multa e sem juros, para outubro, novembro e dezembro.

Apesar da turbulência do momento, os participantes da reunião agradeceram o convite e a possibilidade de opinar nas políticas públicas. “Muitos de nossos pedidos inclusive já foram atendidos, principalmente os relativos à manutenção de emprego e renda”, disse Edison Maltoni, presidente do Sincomercio. Milton de Araújo, presidente do Sincomerciarios, se disse convencido da necessidade de manter o isolamento social. “Vemos que as decisões estão sendo tomadas com seriedade”.

Eliseu Silva Costa, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, agradeceu o convite para a reunião. “Aproveito para colocar a estrutura do sindicato, inclusive o clube, à disposição da administração para o que for necessário”, disse. Já Marcelo Cereser, presidente do CIESP, compartilhou preocupações das indústrias e destacou a importância da reunião deste sábado. “Sugerimos que a administração veja essas questões com atenção, porque elas afetam todo o setor produtivo, inclusive logística e transporte”.

Além deles, estiveram presentes à reunião Carlos Eduardo Favaro, da Acomac; Matheus Miranda, do Núcleo Gastronômico e Hoteleiro; Danilo Acerbi, da Cont; e Mark William, presidente da ACE.

Também participaram os gestores da administração municipal Tiago Texera, da Saúde; Thiago Maia, de Inovação e Relação com o Cidadão; e Fernando de Souza, de Negócios Jurídicos e Cidadania, além de Monica Gropelo, superintendente da TVTEC, e os vereadores Faouaz Taha (presidente da Câmara), Rafael Antonucci, Dika e Rogério Ricardo da Silva.



Comunicar erro nesta notícia

Se você encontrou erro nesta notícia, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente ao Jundiaí Online.


Enviar esta notícia por email

Imóveis em Jundiaí

Apartamentos

Áreas Industriais

Casas

Chácaras

Comercial

Condominios

Fazendas

Haras

Sítios

Terrenos

Anuncie seu Imóvel

O mercado de Aluguel de louças aumentou (e ficou ainda mais qualificado) de uns anos para cá. Um exemplo? Outro dia estava organizando uma lista de materiais que precisariam ser alugadas (Aluguel de louças para festas) para um festa

O serviço de locação para festas esta na zona sul em São Paulo.Sendo do ramo de locação para festas.



Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Blog  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2020, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.