Sexta-Feira, 17 de Setembro de 2021

31/5/2011 - Jundiaí - SP

EcoJundiaí 2011 - "Falta consciência ética sobre o meio ambiente", lamenta José Renato Nalini




da assessoria de imprensa da prefeitura de Jundiaí

Diante de cerca de 200 alunos, esta foi a avaliação feita pelo professor doutor José Renato Nalini, desembargador da Câmara Especial do Meio Ambiente do Tribunal de Justiça de São Paulo, durante a palestra “Ética Ambiental”, realizada na noite desta segunda, 30, na Biblioteca do Campus da UniAnchieta. A palestra integrava a programação da EcoJundiaí, evento que comemora a Semana do Meio Ambiente, sob coordenação da Prefeitura de Jundiaí, por meio da Secretaria de Planejamento e Meio Ambiente, com apoio da DAE S.A. e da sociedade civil.

A palestra reuniu dados históricos, como a multiplicação do número de Faculdades de Direito pelo país (de apenas duas em 1827, para 3000 na atualidade), o que, segundo o desembargador, é uma prova de que se essa quantidade de profissionais formada todos os anos tiver uma preocupação sócioambiental, o Brasil conseguirá evoluir bastante no setor. “Na minha área, muitas vezes, sou voto vencido. Hoje em dia, ninguém se preocupa em dar a vida por uma causa, não há mais ideal, todos vivem num estado de letargia e falta a consciência ética”, ponderou Nalini, que também tinha em sua plateia o diretor-presidente da DAE S.A, Wilson Roberto Engholm, o secretário de Planejamento e Meio Ambiente, Jaderson Spina, e pela diretora de Meio Ambiente, Renata Freire.

Como exemplo de situações que já não causam mais espanto, Nalini citou a morte do casal de ambientalistas no Pará, ocorrida no dia 24 de maio, mesmo dia em que o novo Código Florestal foi aprovado pelo Senado. “Conseguiram mutilar nosso Código Florestal. O pior recado que se pode passar é de que não há punição para quem desmata. Estão condenando as próximas gerações a não existirem mais”, bradou o desembargador.

Para Nalini, a única forma de reverter a situação é fazendo com que toda a sociedade tenha a preocupação de assumir sua parcela de responsabilidade e fazer algo pelo futuro das próximas gerações. “Se um ser de outra galáxia pousasse sua nave hoje aqui no Brasil e fizesse uma leitura da nossa Constituição, diria que vivemos na nação perfeita. Mas se esse mesmo ser fizesse uma análise entre a prática e a retórica, diria que nada do que está escrito traduz a realidade. Estamos sendo ensinados a esperar que o Estado nos dê tudo, mas todos temos de nos comprometer a fazer algo pelo meio ambiente, em menor ou maior escala. Esta é uma responsabilidade de todos nós”, concluiu.



Comunicar erro nesta notícia

Se você encontrou erro nesta notícia, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente ao Jundiaí Online.


Enviar esta notícia por email



Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Blog  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2021, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.