Segunda-Feira, 23 de Novembro de 2020

10/8/2011 - Jundiaí - SP

CPTM e Ingerop abrem debate no Seminário de Planejamento




da assessoria de imprensa da prefeitura de Jundiaí

Após a palestra de Jaime Lerner, o seminário desta terça-feira (9) prosseguiu com as apresentações dos trabalhos realizados pela CPTM e pela Ingerop, empresas que desenvolvem estudos em Jundiaí sobre mobilidade urbana. Silvestre Eduardo Rocha Ribeiro falou sobre as ações da CPTM e Felipe Lagnado Cremonese, sobre os estudos da Ingerop.

Rocha Ribeiro lembrou que a CPTM surgiu em 1992 e atua em 24 municípios do Estado de São Paulo. “Iniciamos nosso trabalho atendendo 840 mil passageiros por dia, hoje chegamos a 2,4 milhões e até 2.014 pretendemos chegar a 3,3 milhões. Ele lembrou que a malha rodoviária utilizada é de 1878 e que o grande trabalho, além da manutenção, diz respeito às estações, “a maioria delas tombada pelo patrimônio que pouco podemos modificar”.

Felipe Cremonesi, da Ingerop, afirmou que sua empresa desenvolve, junto com a CPTM, estudos para a implantação de um novo sistema de transporte na cidade e que pode ser o VLT – Veículo Leve sobre Trilhos. Ele afirmou que a vantagem deste transporte é sua preferência nos semáforos e a velocidade, que pode ser alternada de acordo com as necessidades do tráfego.

Após as apresentações, Jaime Lerner e o arquiteto português, Nuno Portas, que deu palestra na segunda-feira, se juntaram a Rocha e Cremonesi para responder perguntas dos participantes. E Lerner já abriu esta etapa comentando o projeto do VLT. “A implantação deste serviço vai depender de quanto o governo vai ter para subsidiar este transporte, mas não se pode esquecer que o veículo individual não ajuda neste tipo de mudança e o carro elétrico e a bicicleta aparecem também como alternativas”, disse Lerner. Para ele, as pessoas só mudam se a alternativa for melhor. Já Nuno Portas afirma que os custos são decisivos no momento de se definir o tipo de transporte público a ser adotado em uma cidade e isso envolve o final de semana e a semana toda.

 

Quando questionado sobre a moto como solução para a mobilidade, Jaime Lerner foi enfático: “a moto tem seu espaço sim, mas não pode ser suicídio. A moto é mais perigosa que a bicicleta e o Brasil é um País que mata, no trânsito, mais gente do que numa guerra, isso precisa ser pensado”.

Abordando CPTM e o VLT, surgiu um grande desafio: o relevo da cidade e a implantação do VLP, principalmente com relação ao seu custo. Silvestre lembrou que a frota dobrou de tamanho nos últimos anos e já há estudos para a implantação do trem expresso entre Jundiaí e São Paulo. “A velocidade é fundamental. O estudo mostra que uma viagem terá duração de 25 minutos entre estas duas cidades”.

Lerner lembra que dentro de todos os estudos para a implantação de transporte público devem ser analisadas duas propostas, uma de rápida solução- para implantação em até três anos – e outra a longo prazo. “Mas o ideal é adotarmos as duas”, conclui.



Comunicar erro nesta notícia

Se você encontrou erro nesta notícia, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente ao Jundiaí Online.


Enviar esta notícia por email

Imóveis em Jundiaí

Apartamentos

Áreas Industriais

Casas

Chácaras

Comercial

Condominios

Fazendas

Haras

Sítios

Terrenos

Anuncie seu Imóvel

O mercado de Aluguel de louças aumentou (e ficou ainda mais qualificado) de uns anos para cá. Um exemplo? Outro dia estava organizando uma lista de materiais que precisariam ser alugadas (Aluguel de louças para festas) para um festa

O serviço de locação para festas esta na zona sul em São Paulo.Sendo do ramo de locação para festas.



Dogus Comunicação

Sobre a Dogus Comunicação  |   Política de Privacidade  |   Blog  |   Receba Novidades  |   Acesse pelo Celular

Melhor Visualizado em 1200x900 - © Copyright 2007 - 2020, Dogus Comunicação. Todos os direitos reservados.